Esta tecnologia para pagamentos criou bilionários – e bem longe do Vale

postado em: Notícia | 0

Ações da Adyen, que afirma economizar milhões de dólares simplificando pagamento com cartões, quase triplicaram desde o IPO.

A Adyen afirma que economiza milhões de dólares de vendedores simplificando as transações de pagamento com cartões. A firma de tecnologia financeira, localizada a milhares de quilômetros do Vale do Silício, está gerando muito mais do que isso para seus fundadores.

O CEO, Pieter van der Does, o diretor de tecnologia, Arnout Schuijff, e o ex-diretor de inovação John Caspers viraram bilionários desde a oferta pública inicial da Adyen, em junho, segundo o Bloomberg Billionaires Index.

Esse tipo de geração de riqueza, raro para uma empresa europeia, coloca a Adyen, que tem sede em Amsterdã, em um rol semelhante ao de gigantes americanas da tecnologia como Facebook e Twitter.

As ações da empresa quase triplicaram desde o IPO, o que ressalta como os investidores estão buscando uma fatia de um negócio que está na vanguarda de um mercado de pagamentos em rápida evolução, que deverá aumentar em US$ 1 trilhão até 2022.

“A Adyen realmente fez barulho quando se uniu ao Airbnb e à Uber em seus primórdios”, disse David Ritter, analista da Bloomberg Intelligence. “As avaliações de algumas dessas empresas são difíceis de justificar de uma forma convencional, mas o alcance de seu crescimento é bastante impressionante.”

PayPal, Square

A Adyen se une às concorrentes americanas Stripe, PayPal Holdings e Square no grupo de empresas de tecnologia que controlam mais de três quartos do mercado de facilitação do comércio entre vendedores e consumidores.

Caspers é o último bilionário criado pela empresa, que também conta com Spotify Technology e eBay como clientes. Apesar de já não fazer parte da Adyen, ele ainda detém uma participação de 4,65 por cento avaliada em US$ 1 bilhão. Além disso, faturou mais de 30 milhões de euros (US$ 34,2 milhões) com a oferta da Adyen, a maior da Europa no ano passado para uma empresa de tecnologia.

Fonte: Exame.abril.com.br